Inovação: como empresas centenárias continuam crescendo?

Uma sugestão de experiência para você: vá ao supermercado e repare nas embalagens de leite condensado. Em mercados com muitas opções, você verá uma batalha por espaço na prateleira, o grande sinal é exibido nos argumentos de “tradição” e “desde” estampados nos rótulos.

Já reparou como costumamos atribuir valor a excelência de empresas tradicionais, com mais de 100 ou até 200 anos.

Mas a idade de uma empresa, por si só, não é mais um sinal de excelência e qualidade de serviço. Grandes empresas continuam investindo na análise dos serviços e produtos e investindo na interação do público com a marca.

Algumas das empresas mais antigas do Brasil, veja fotos no final da matéria

1846 – Ypioca – aguardente
1870 – Universidade Mackenzie – chamava-se inicialmente Escola Americana.
1872 – Cedro e Cachoeira – Companhia de Fiação e Tecidos.
1875 – O Estado de São Paulo – jornal nascido como A Província de São Paulo.
1880 – Hering – surgiu como Trikotwaren Fabrik Gerbruder Hering.
1882 – Karsten – surgiu como Tecelagem Roeder, Karsten & Hadlich
1891 – Santanense – Companhia de Tecidos (pertence à Coteminas desde 2004)
1892 – Drogaria Pacheco – Pacheco & Co. é uma loja, importadora e exportadora de medicamentos
1901 – Matte Leão – Leão Júnior SA surgia em Curitiba, Paraná.
1905 – Droga Raia – Surgia como Pharmacia Raia em Araraquara, São Paulo.
1907 – Alpargatas – o grupo apostou em propagandas convencionais, além de divulgar a marca através de atletas famosos.

Muitas vezes elas eram as únicas que atuavam no seu segmento, o que facilitava a construção dessas “tradições”. No entanto, com a competitividade do mercado, empresas que não estão dispostas a acompanhar inovações podem desaparecer com uma velocidade extraordinária.

Analise sua marca e o mercado, adapte cada necessidade ao seu negócio para entender em que momento uma consultoria em gestão empresarial pode fazer a diferença.

Como elas conseguiram isso?

1 – Investimento – a Droga Raia só entrou para esse hall, após investir em laboratórios multinacionais, o que permitiu que a própria rede pudesse manipular medicamentos.

2 – Inovação – a marca Matte Leão já tinha uma grande variedade de sabores, além do clássico matte. Agora oferece uma experiência ao cliente, oferecendo mix funcionais com embalagens que fazem a propaganda dos benefícios, relaxar, equilibrar, recarregar e reanimar.

3 – Modernização – a aguardente Ypioca faz isso como ninguém, investe em otimização de processos e novos produtos, como a linha de vodka Hypnose, lançada em 2012.

4 – Comunicação – criação de canais de atendimento ao público para monitorar e evitar episódios de insatisfação com o seu cliente. É impossível para uma empresa que queira crescer, não estar na internet. Não é á toa os inúmeros investimentos em criação de inteligências artificiais.

O que importa é que centenária ou não, a sobrevivência de muitas empresas depende da revisão constante de políticas e valores para se comunicar com novos públicos, permanecendo-se flexível com novas demandas.

Importante lembrar que muitas empresas criam novas embalagens, mas a forma de se comunicar continua a mesma, não existe uma transformação ou mudança de cultura.

Com informações de: Exame

Nara Honório, Assessoria de Comunicação
Sandro Zambelli, Direção Comercial

Siga a Consulting Blue nas redes sociais @consultingblue
Indique nosso portal de gestão de empresas para seus amigos empreendedores: www.consultingblue.com.br

Está gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter

Você também pode gostar destes artigos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *